VÍDEOS EM PEDRO KANE

Loading...
Arquivo do CitadinoKane: Posts antigos revisitados, música, livros & curiosidades.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

O suicídio segundo Marx

Seguindo a proposta do Arquivo, estou republicando o post de 13/04/2006.
________________________________________________________


Resolvi reproduzir parte de artigo publicado no Jornal O Estado de São Paulo de 11/3/2006 sobre o livro de Marx.

"O suicídio segundo Marx e a Polícia

Ainda jovem, ele estudou o tema a partir de pesquisas de um arquivista policial e seu ensaio é uma das atrações da 19.ª Bienal, by Sérgio Augusto

Aquilo que Albert Camus qualificou de "o único problema filosófico realmente sério" acaba de ganhar, entre nós, um surpreendente exegeta: ninguém menos que Karl Marx (1818-1883). Quando jovem, relativamente fresco em filosofia, interessou-se pela questão do suicídio e tentou destrinchá-la a partir das estatísticas de um ex-arquivista da polícia parisiense. O ensaio resultante, Peuchet: vom Selbstmord, foi publicado em 1846, numa revista proletária alemã, e por quase um século andou esquecido. Até na Alemanha.
Sua tradução brasileira (Sobre o Suicídio, 84 págs.), feita diretamente do alemão e uma das atrações da editora Boitempo na Bienal do Livro de São Paulo, é melhor que a francesa (de 1983, pela Gallimard) e tem mais notas que a inglesa (de 1975), igualando-se às que franceses e ingleses publicaram em 1992 e 1999, respectivamente.
É um "Marx insólito", resume, na introdução, Michael Löwy. É mesmo. Na escolha do tema, aparentemente fora da alçada do materialismo dialético, e na maneira como o xamã do comunismo o aborda, sem desprezar as vítimas das classes privilegiadas. Ao perscrutar as angústias da vida privada, mediada pelas relações de classe na sociedade burguesa, Marx antecipa temas que voltaram a ser destaque nesta semana, como a opressão da mulher e o direito ao aborto.
Sem falar, é claro, na questão principal, o suicídio ("Selbstmord", em alemão), assunto sempre atual e particularmente melindroso, de uns tempos para cá, entre os militares brasileiros - e que Marx teria sentido na própria carne, caso tivesse vivido mais 15 anos. Em 1898, sua filha caçula, Eleanor, cometeu o que há 15 séculos a Igreja, inspirada por Santo Agostinho, enquadrou na categoria de pecado mortal.
O "Peuchet" do título original é o sobrenome de Jacques Peuchet, o francês de cujas estatísticas sobre suicídios (2808, só em Paris, entre 1817 e 1824) Marx se valeu para refletir sobre o que Freud entendia como uma agressão introjetada e Nietzsche, como um grande consolo para noites difíceis. Peuchet, que morreu em 1830 aos 72 anos, não era filósofo, nem economista, e muito menos socialista. Estudara medicina, dirigira um jornal monarquista e exercera vários cargos públicos, entre os quais o de arquivista policial. Já não estava mais neste mundo havia oito anos quando publicaram as suas Mémoires Tirés des Archives de la Police de Paris, coleção informal de incidentes e episódios ligados a suicídios, seguidos de alguns comentários dignos de um perspicaz crítico social, que Marx aproveitou e misturou aos seus.
Na Paris daquele tempo, a maioria das pessoas se suicidava por motivos que ainda hoje pesam: doenças, depressão, fraqueza de espírito, paixão, miséria, desemprego, brigas e desgostos domésticos. E, preferencialmente, por afogamento, quase sempre no rio Sena.
Um dos casos recolhidos por Peuchet teria inspirado O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas, por sinal, um dos livros de cabeceira de Marx. Esse detalhe não consta do ensaio, cuja origem (as memórias de um policial, ainda por cima monarquista) só parecerá espúria a quem não conhece Marx suficientemente bem; a quem desconhece que ele não achava imprescindível ser socialista para criticar a ordem estabelecida; a quem ignora que ele aprendeu muito mais sobre a sociedade francesa na ficção de Balzac, de Eugène Sue, e muito mais sobre a sociedade inglesa lendo Charles Dickens do que gramando tomos e mais tomos de análises políticas, econômicas e sociológicas.
O que mais o entusiasmou nos comentários de Peuchet foi sua concepção do suicídio como sintoma de um meio social doente, necessitado de uma transformação radical. A sociedade burguesa, escreve Marx, citando Peuchet, que, por sua vez, cita Rousseau, "é um deserto, habitado por bestas selvagens". Cada indivíduo, isolado dos demais, vive numa espécie de "solidão em massa". As pessoas agem entre si como estranhas, hostilizando-se mutuamente, metidas em "luta e competição impiedosas", ora como vítimas, ora como carrascos, caminho aberto para o desespero, o desatino - e o suicídio.
Desgraça democrática, a ela estão sujeitas todas as classes sociais. As causas variam (os mais abastados se deixam atormentar mais por doenças incuráveis, traições, rivalidades sufocantes, desilusões amorosas, sofrimentos familiares, crise nos negócios, tédio e monotonia), mas a censura ao ato é tão uniforme quanto a insensibilidade dos moralistas que o condenam como algo antinatural, um sinal de fraqueza, um gesto covarde, um crime contra as leis, a sociedade e a honra. "Não é com insultos aos mortos que se enfrenta uma questão tão controversa", adverte Marx.
Antinatural o suicídio não é. Se o fosse, argumenta Marx, não seríamos testemunhas diárias de sua naturalidade. Poderia ter ressaltado o aspecto prometéico do suicídio - que o transfigura num ato de coragem e num desafio à natureza e à autoridade divina -, mas preferiu criticar a Igreja por outras vias. Para ele, o clero que recusa aos suicidas uma sepultura e um lugar nas verdes pastagens do Senhor não merece ser chamado de religioso. Insensível e covarde, sim. Com que direito podemos exigir do indivíduo "que preserve em si mesmo uma existência que é espezinhada por nossos hábitos mais corriqueiros, nossos preconceitos, nossas leis e nossos costumes em geral?", pergunta o jovem Karl, do alto dos seus 28 anos de vida.
(...)
Nas últimas três décadas, a onda não refluiu. O teórico marxista Nicos Poulantzas (nascido na Grécia mas francês por opção) atirou-se do 22º andar de uma torre parisiense, em 1979. Dizendo-se "velho, vexado e humilhado", Roger Stéphane, discípulo de Gide, deu um basta às suas aflições em 1994. Nos anos seguintes, Gilles Deleuze, o situacionista Guy Debord e Sarah Kofman (austera filósofa ligada a Jacques Derrida) entraram para o limbo dos malditos onde penam as almas de Sócrates, Petrônio, Cleópatra, Van Gogh, Mayakovsky, Virginia Woolf, Hemingway, Sylvia Plath, Getúlio Vargas, Yukio Mishima e tantas outras exceções que justificam a regra de que francês adora se matar. Também foi por isso que Emma Bovary tornou-se a mais célebre heroína ficcional da França."

Maurício Leal Dias, como um bom marxista, deve correr para o site da Livraria Cultura e solicitar imediatamente o seu exemplar.
Aos saudosistas estrelados uma boa Páscoa!
Nada de desespero, basta ler Marx, e os vossos corações se acalmarão...

2 comentários:

  1. Marx, sempre Marx...
    Ontem deixei algumas notas no sêbo, e entre outras coisas boas, trouxe comigo O Capital.
    Mas tenho que ler Discurso do método primeiro, pq Descartes du-vi-da que eu o faça antes de ler a Revolução dos bichos.
    Se eu sair desses blogs, leio todos até semana que vem!
    Adorei seu blog, vc tem a proesa rara de escrever um texto longo e quando chega no final, a gente acha que podia ter mais um pouco...
    Que bom que vc foi cair no meu blog! Assim, pude cair no seu!
    abraçosss

    ResponderExcluir
  2. Lu,
    Pôxa uma blogueira intelectual!
    A Revolução dos bichos um profundo ensinamento sobre o exercício do poder.
    Muito obrigado por jogar luzes aqui.

    Beijos,
    Pedro

    ResponderExcluir